Feiras Medievais

Vai um tomatinho aí, madame?

De volta em período de carnaval, vamos falar de um assunto pertinente…

Citando um artigo de um livro de História qualquer:

…Após a decadência do Império Romano, as feiras medievais representaram o momento no qual ressurge o comércio na Europa, no final do século XI. A Europa saía do feudalismo, no qual as pessoas viviam em territórios limitados, onde produziam tudo o que precisavam, sendo que quando algo faltava, conseguiam-no através de trocas.

No entanto, as Cruzadas reabriram o caminho pelo mar Mediterrâneo e possibilitaram aos europeus um maior contato com o Oriente, de onde traziam mercadorias raras e exóticas (cravo, canela, pimenta, seda, porcelana), muito cobiçadas no Velho Continente. Neste momento, podemos falar no renascimento comercial, uma vez que essas mercadorias eram trazidas e fizeram com que o dinheiro, até então entesourado, retornasse a circulação.

Estes produtos começaram a ser vendidos nas feiras que surgiam nas cidades que renasciam.

O que isso tem à ver com RPG? Tudo!

Qual mestre nunca colocou uma feira dessas na campanha para divertir, desafiar ou até mesmo começar uma grande missão?

Claro, como estamos falando de RPG, nem só de compras/vendas/trocas vivem as nossas feiras medievais. Temos oportunidades de interpretação, romance, combate, desafios de perícias (e uma ou duas carteiras batidas pelo ladrão do grupo!).

Em mundos de campanhas específicos (como Forgotten Realms), existem dias especias em que são organizadas as feiras – no caso acima, o famigerado “Encontro dos Escudos”, que acontece a cada ano bissexto. Além das atrações citadas, nesse dia costumam ser selados acordos entre governantes.

Em suma: as Feiras são um excelente evento para distrair seus jogadores – ou não! – das grandes maquinações da campanha. E também podem servir para rolar aquele “torneiozinho básico” de PvP!

Até!